sábado, 22 de janeiro de 2011

O que cortar?


Abro os olhos como quem sai do coma. As pálpebras hesitam, mas se afastam devagar. As cores surgem meio agressivas num caleidoscópio desordenado. Muito, tudo muito vermelho. Eu adoro vermelho... No fim, há só um teto. Daqueles de tijolos dispostos em pares, formando fileiras de quadrados entremeadas por grossas faixas brancas. Não parece bem uma residência típica do centro urbano. Mas eu estou aqui. Somos eu e o teto. E nenhuma parede - meus olhos não são capazes de viajar nas órbitas. Estão estáticos, vidrados. Não sei do resto do meu corpo. Não o sinto...

Mas há uma música! Uma mulher e um piano. E ela não entoava palavras. Apenas um suspiro de morte enquanto o pianista brincava com as notas de uma dança macabra. Um suspiro longo. Que viajava de um temor sôfrego a uma excitação frenética. E depois se debulhava numa somente respiração cansada. Passam-se alguns minutos enquanto aquela música parece me anestesiar. Por dentro, já que por fora eu não sinto nada. Nada, o vazio completo da consciência. E fico. Coisas como vida ou morte não fazem sentido debaixo daquele teto de tijolos. Pois aqui é o nada.

Há quanto tempo vejo essa mulher? Ela não surgiu gradativamente no campo de visão. Apenas apareceu, como uma foto costurada à minha retina. Os cabelos vermelhos precipitando em ondas de sangue. A primeira fonte de luz daquele cômodo. E o rosto forrado de uma pele desbotada, algo próximo do cinza, num relevo acidentado de manchas roxas discretas, como se a mais forte maquiagem ousasse construir uma máscara de normalidade. Inútil, era a face da tristeza se abrindo para um sorriso de maldade. Um sorriso que me mostra uma garrafa de vidro e um punhado de criaturas. Insetos: abelhas, formigas, escaravelhos e outros. E de tudo o que eu mais odeio e entre tudo o que eu mais odeio e mais que tudo, ela acertara. Insetos. Despejou-os sem delongas na altura do meu abdome. Mas eu não os sinto. Apenas fito sua face diabólica contorcendo-se numa satisfação doentia.

Dor? Não a física, mas pior. Imagino os insetos comendo e carcomendo minha pele com suas garras e presas. Dilacerando a extensão do que eu era e infectando-me com sua podridão. Sugando sangue, depositando em mim os ovos de sua prole. Dói! Mas não há grito não há movimento não há contração dos músculos. Dói dentro. Onde tudo o que penso se converte em desespero sólido. Em pesadelo vívido. E não consigo mais fechar os olhos. O que eu era apodrecia diante de mim e eu não podia ver. Primeiro, meu corpo. Agora, minha alma. Só restaria a mente para que pudesse ainda degustar daquela dor. E toda a força que eu desprenderia num clamor de fúria se volta contra mim e rebate no meu âmago ao me revelar que o que eu via bem ali, a mulher ruiva que se tornara meu algoz, eu já conhecia. Sim, como as memórias podem ser cruéis! Escondidas nas gavetas mais sujas da consciência. Ao som da melodia fúnebre que orquestrava o meu inferno particular, abrem-se, uma a uma.

Uma rua uma mulher um beco. Um homem uma faca. Aproximei-me dela cambaleante como usualmente fazem os bêbados. Tão sozinha e tão linda! Ah, como amava aqueles fios vermelhos que dançavam alegres ao sabor do vento! Seu rosto, ainda imaculado, era fino e frágil como uma flor de primavera que desabrocha para a noite. E desabrocharia agora para mim... Toquei-a com meus dedos oleosos e sujos e senti que já não havia como voltar atrás. Ela também estaria corrompida. Mas debatia-se como uma fera! Quando a levei ao beco tentando calá-la com meus beijos de álcool, ela gritou muito. Ora, que afronte me pareceu! Um tapa de força mal calculada a lançou no assoalho áspero. E o grito se reduziu a um gemido. Estava muito tarde, ninguém viria salvá-la... Firmei os joelhos posicionando-a entre minhas pernas. Ela se desesperava olhando aos arredores. E para si, pois eu rasgava sua blusa de rendinha com um único puxão e deixava marcas vermelhas em sua barriguinha branca como uma estrela da noite. Minha estrela! Como ela chorava! Calei-a com uma das mãos. Brinquei com a outra. E a mulher ainda se debatia! Tentava a todo custo me chutar nas costas ou me jogar de lado. Mas era uma flor, fraca como uma. Não me impediu de me despir e limpar o meu suor fétido naqueles cabelos ruivos tão lindos! Esfregava-os na minha face torpe e sentia um aroma calmo, gostoso. De rosas. Minha língua viajava na sua pureza semeando a maldade por onde passava. Não me importava de fazer de sua dor o meu prazer, talvez por realmente nunca me importar ou por não estar lúcido o suficiente para isso. E fiz, então, o contato. Unifiquei os corpos e ela era como um ímã que me rejeitava. Mas quando foi que eu comecei a aceitar rejeição? Uni, fundi, colei-nos contra a sua vontade. E contra a vontade divina. E descolava a meu bel prazer, e colava de novo. Pois ali, no meu mundo, eu era o Deus e ela uma serva resignada. E parou de se debater, então, e aceitou como uma dama deve fazer a dança que eu majestosamente propunha.

Um intruso. Um besouro pousou no corpo dela no meio da dança. Encostou suas patas sujas de estrume no terreno que era meu. Fui tomado por uma fúria descomunal e espanquei-a como bem merecia. Como ela permitiu? Reuni todo o meu ódio em punhos cerrados, em socos e tapas frenéticos que deixariam as marcas daquele pecado encravadas em sua alma. No fim, mergulhado nas águas salobras do nojo, cuspi. Cuspi e cuspi de novo. Nojo! Deixei-a com o seu inseto e me retirei. Ainda haveria a ressaca para eu lidar.

E, por rasgar sua feminilidade e pôr do avesso sua intimidade, agora eu me coloco aqui. Vendo-a torta entre insetos e sorrisos diabólicos me corroendo, ambos. O ritmo da música se findou numa hecatombe de sons agudos. Agora sinto o pavor do silêncio. Parecendo extasiada de satisfação, largou os insetos. Suspirou...

E trouxe uma faca.

21 comentários:

  1. Gui \o\o\
    muito foda o conto, como o inseto vira algo tão insuportável e presente. E todo o clima e nojo que o homem produz. A dor também que senti uma duvida se era de um homem adoentado e no final nem era ele o agredido.. interessante.
    Axei mtu fodaaa xDDDDDDDDDDDDDDD
    .snape
    adoro coisas mais sombrias c sab \o\o\o\

    ResponderExcluir
  2. nossa. Maravilhoso como vc colocou a dor e o prazer, envolvidas num ato tao brutal. Mesmo que tenha um fio prateado nessa descrição, tornando tudo um pouco mais suave, como se ainda fosse belo ver a besta se alimentar! Muito bom, nada muito intenso nem muito vago!
    meus parabéns!!
    \o/

    ResponderExcluir
  3. Melhor texto até hoje!!!
    Meu favorito!!!
    Eu não tenho nem palavras para mencionar o quão o seu texto foi extremamente bem escrito e penetrante perante ao leitor!!!
    sensacional, o modo como você consegue descrever sem utilisar clichês.
    Criatividade na composição de palavras!!!

    "Apenas apareceu, como uma foto costurada à minha retina."

    "As cores surgem meio agressivas num caleidoscópio desordenado."

    Acho uma benção tanto talento para a escrita, nasceu para isso!!!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  4. Me lembrei de um pesadelo meu ao início do texto. Fiquei apreensivo no Fim.
    Muito bom Gui. Amei.

    ResponderExcluir
  5. Cara, a primeira vez que comentei aqui foi com um "CARALHO"! haha
    Digo novamente, caralho! que loucura de texto!
    Tem um quê de Stephen King sua narrativa. Impecável.

    ResponderExcluir
  6. Estou boquiaberta! Nossa guilherme... vc me surpreende a cada texto...

    traduzindo: VOCÊ ESCREVE PRA CARALHO!

    ResponderExcluir
  7. Guiii, sem palavras... VC tem um talento incrivel!!!
    Perdoe minha ausência eu estava em ritmo de férias rs!!!

    Você sabe como decifrar a escrita!
    Um beijo se cuida moço!

    ResponderExcluir
  8. Olá...
    estava aqui, lendo o blog de outras pessoas quando achei o seu...
    Escreve contos,meu rapaz?^^ Parece promissor. Você tem futuro.

    [P.S.: adicionei o seu blog].

    ResponderExcluir
  9. Lindo, cara!
    Fiquei pasmo com a tua capacidade de conduzir o enredo.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  10. CARAMBA!
    Hipnotizado, do começo ao fim.
    Parabéns, de verdade, pelo talento nato e por conseguir me fazer entrar em choque a cada vez que passo por aqui.

    ResponderExcluir
  11. Penso que é a primeira vez que venho até seu espaço. O que li, aqui, gostei muito da forma que nos transmite. Vou ser seu seguidor, seja meu também em:

    www.congulolundo.blogspot.com
    www.minhalmaempoemas.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com

    Um abração e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  12. Gostei muito do teu blog! de muita qualidade, requinte... Poemas realmente concretos! parabéns!!

    Sou Diego Schaun, músico e poeta. www.diegoschaun.blogspot.com Espero que goste. Depois, dê uma passadinha lá!

    ResponderExcluir
  13. Este texto ficou muito bom!!
    Parabééns, amei!

    ResponderExcluir
  14. Gui, muito bom o o texto.

    Dessa vez temos uma narrativa mais objetiva, de leitura simples, dinâmica e extremamente envolvente, com descrições que, como sempre, estão excelentes.

    Acho incrível como a morte, tão permeada de elementos místicos e devaneios se torna, instantaneamente, realidade nua (literalmente) crua e cruel.

    O Leitor, exposto a tal transformação, passa a odiar o personagem, mais que isso, passa a odiar o fato de ter torcido por ele. Por esse, a partir do 5º parágrafo, o leitor decide, junto com a mulher de cabelos vermelhos, a se tornar algoz do narrador, condenando-o a ser devorado pelos insetos, sem, no entanto, ter certeza se estes são devaneios da morte ou se são reais.

    Parabéns Gui, narrativa excepcional, que por si só já é extremamente cativante, mas que impõe ao leitor e aos personagens uma surpreendente transformação.

    Muito Bom ;D

    ResponderExcluir
  15. Belo texto"
    Gostei tanto do blog que por aqui mesmo vou ficar"
    Me segue lá tbm"
    http://nostudinhos.blogspot.com/
    "(*_*)"

    ResponderExcluir
  16. Simplesmente maravilhoso, espetacular.
    Adorei cada palavra.
    Obrigada por suas visitas, mesmo que silenciosas, rs.

    ResponderExcluir
  17. Não sei como descobri seu blog, mas fico imensamente feliz! Caramba, você escreve demais, rapaz!
    Texto intenso, escrita impecável!
    Estou seguindo!

    ResponderExcluir
  18. Olá gostaria que visita se meu blog que é dedicado a cultura. Espero que goste nele tenho uma coluna poética aos sábados ás 09 da manhã espero poder contar com sua visita.

    Sucesso em seu espaço.

    Magno Oliveira
    Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno
    Telefone: 55 11 61903992
    E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

    ResponderExcluir
  19. Caramba, você escreve viu! Tô sem palavras...

    Quanto à citação de Fernando Pessoa... eu concordo. Mas acho que se a felicidade existisse de fato, se ela não dependesse do "buscar", ela teria a cara da citação de Tolstoy.

    =)

    ResponderExcluir